Neuroplasticidade, compulsão e sono.

Atualizado: 7 de ago.

Neurônios são as células que caracterizam o sistema nervoso, responsáveis por transmitir impulsos ao cérebro. A neuroplasticidade é a mudança estrutural do cérebro frente as experiências. Talvez muitos de nós não tenhamos a noção que existe uma transformação química e física (anatomicamente) em nosso sistema nervoso central, tanto para o lado positivo como para o lado negativo de acordo com o que vemos, sentimos e fazemos! Vamos pensar em uma pessoa que foi acometida(o) por algum distúrbio neurodegenerativo (Alzheimer, Parkinson, Distrofia muscular, Esclerose, etc.), as experiências mudam e o cérebro entra em modificação constante, cada patologia em sua velocidade, dependendo, de forma resumida, do estado de saúde de cada indivíduo!


A relação da nutrição e cérebro é muito valorizada desde culturas antigas às teorias da ciência moderna, contudo, ainda é intrigante como nós seres humanos, mesmo tão inteligentes, tendemos a brincar com a própria atividade mental. Comemos bastante industrializados, açúcar, bebemos refrigerante e comemos embutidos. Sabemos que existem malefícios no excesso, que há uma transformação acontecendo em nosso corpo. Estamos engordando, ficando ansiosos, depressivos, com baixa autoestima e, cada vez mais, utilizando medicamentos para dar mais "alegria", autocontrole no consumo alimentar e melhorar o sono. Devo destacar que não sou contra fármacos, mas sei que existe um caminho melhor e que nós temos preguiça de subir a montanha da superação. Tudo que disse me incluo porque sou igual a você! Escrevi sobre o assunto há uma semana, mas apaguei tudo e estou aqui escrevendo novamente, motivado por uma paciente, por uma necessidade. Quando estamos inspirados é dito aquilo que é necessário e a mensagem tende a soar melhor. Isso é neuroplasticidade!

Já escutou falar em repertório diário comportamental? Vamos fazer o seu dentro de hábitos saudáveis?

1. Você bebe 2/3 litros?

2. Se expõe ao sol por 10/20 minutos?

3. Faz 60 minutos de atividade física?

4. Tem 80% de alimentação saudável?

5. Faz 10 minutos de leitura?

6. Dorme de 6/8 horas e bem?

7. Treina memória e concentração?

8. Comemora vitórias ?

9. Se faz presente nos ambientes corretos?

10. Pensa na solução diante dos problemas?


Se a sua resposta foi sim para 70% das perguntas, está no caminho certo para manter seu cérebro ativo, saudável e harmônico. A neuroplasticidade existe durante toda a existência do ser humano, em contrapartida é mais presente em crianças, adolescentes e, segundo a ciência, em média até os 25 anos de idade - período em que temos uma redução na passividade do cérebro (aprendizagem automática) e que somos obrigados a aprender de forma ativa, por esforço, com foco, mudança de comportamento, repaginação de idéias, alimentação, sono de qualidade, pensamentos positivos, etc. Novas conexões e caminhos neurais são frágeis e apenas a prática e repetição permitirão que essas conexões se estabeleçam, tornando-se comportamentos habituais, ou seja, novos padrões.


Vou te dizer 5 aspectos que acredito serem uma pedra em seu caminho e podem ser modificados com a neuroplasticidade:


- Compulsão alimentar

- Insônia

- Preguiça crônica

- Medo (Aquele que te limita)

- Pensamentos negativos constantes


Um estudo realizado por investigadores da Universidade da Carolina do Norte (UCN), nos EUA, comprovou que a compulsão de comer tem uma origem neurológica. O estudo foi publicado em Setembro 2013 no jornal Science e fez uma ligação de cérebro, compulsão e obesidade. Há também sugestões de que a compulsão esteja relacionada com mecanismos motivacionais que envolvem o sistema límbico, onde estão as respostas emocionais, o comportamento e a memória. Então, aquilo que você viveu lá na infância tem influência em seu comportamento alimentar, de fato. Só não devemos terceirizar, temos que alcançar a modificação do nosso comportamento atual, aproveitar as janelas que ainda estão abertas em nosso poder cognitivo. Em média, de 20 a 30% do que comemos, é utilizado por nosso cérebro, por isso, mude o alimento e mudará o resultado. Alguns nutrientes destacam-se neste processo de "aprendizagem", reduzindo danos cognitivos e aumentando ligações neuronais, sendo eles: magnésio, colina, curcumina, ômega 3 e creatina.


Vejo que o principal comportamento que devemos ter atenção é com o sono, sendo um grande nutriente para neuroplasticidade. O cérebro, quando privado de sono, fica em estado de "alerta", mesmo que cansado. O repouso restaura isso, nos deixa mais tranquilos e menos compulsivos. Proporcionar uma limpeza do cérebro é facilitar estabelecer novas conexões, formar novas memórias, criar novos hábitos e aprender habilidades.



JAYME ASSUNÇÃO

NUTRICIONISTA

CRN 11090

241 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo